Trabalho Dia das Mães PDF Imprimir E-mail

O presente de Dia das Mães foi um quadro feito pelo próprio filho. Um trabalho de releitura de Artistas Brasileiras com auxílio do professor.

Trabalhos de cada Turma:

{mosimage}Grupo Vermelho
A Feira

{mosimage}

{mospagebreak}

{mosimage}Grupo Verde
A Onda

{mosimage}

{mospagebreak}

{mosimage}Grupo Azul
Anjo com Acordeão

{mosimage}

{mospagebreak}

{mosimage}Grupos Laranja 1 e 2
Os Cisnes

{mosimage}

{mospagebreak}

{mosimage}Grupos Amarelo e Branco
Bicho Duralumínio

{mosimage}

{mospagebreak}

ANITA MALFATTI
Esta mulher é a primeira pintora modernista brasileira. Vinda da Europa e Estados Unidos, onde teve contato com o expressionismo, esta artista mostrou sua produção no país em 1917 e escandalizou a sociedade paulista com sua forma de pintar. Devido a isso Anita é considerada a grande artista que ao Brasil foi negada, pois o enorme número de críticas e a polêmica que sua obra causou, acabou por retroceder em seus estudos e processo de criação. Mas o pouco que fez em sua fase inicial foi e é o suficiente para enaltecer seu nome e torná-la um marco em nossa cultura. Anita é considerada também o nome mais importante da famosa semana de arte moderna de 22, este evento que tentou colocar o Brasil em dia com o mundo em relação à modernidade.
TARSILA DO AMARAL
Outro grande nome da pintura modernista na sua fase inicial estudou na Europa com Fernand Leger e trouxe par nossa terra influencias do cubismo e do futurismo e que a estes estilos, ela bem soube juntar com as temáticas nacionais. Tarsila faz uma arte de grande panorama principalmente revelando a cara de nossa terra, com casas, bichos, flores, animais, santos, feiras, festas. Pintou o abaporú (que na língua indígena significa homem que come homem) e com isso foi à mola mestra na criação do manifesto antropofágico escrito por Oswald de Andrade. Uma nova visão do outrora colonizado agora “consciente” de seus direitos e lutando por um espaço dentro de um mundo holístico.
LYGIA CLARK
Falar dessa artista, é compreender a arte conceitual em nosso país. A vitória da idéia e do tema em relação a artesania. Arte esta no terreno das idéias e não na cópia do mundo exterior. Foi aluna de Ivam Serpa e participou do grupo Frente que formulou a base do movimento neoconcreto em 1950. Mas sua arte não se limitou ao movimento, ganhou personalidade própria, pois necessita do contato direto e da interação com o público. Atualmente divide com Helio Oiticica o espaço forte de reapresentação da arte no exterior.
BEATRIZ MILHAZES
Esta pintora é um dos principais nomes da chamada geração 80, movimento que deu novo fôlego à arte no Brasil. Mas ao contrário da maioria dos artistas de sua época, ela não abandonou o suporte tradicional e a técnica da pintura e deu a seus trabalhos um mistura de contemporaneidade com beleza e harmonia. Atualmente vive fora do país e é um grande nome no exterior, mas sua arte esta totalmente vinculada à concepção nacional, a beleza dos trópicos e festas culturais como carnaval que ela bem soube aliar as teorias orientais e pensamentos de Jung.
DJANIRA
Pertence a segunda geração de pintores modernos no país e tem como base de sua arte a cultura popular ou a chamada pintura Naif (pobre) onde o artista consciente (no caso dela) ou não, abandona formas requintadas e tradição da técnica para captar o centro emocional e a raiz da sociedade popular. Um misto de lendas, contos, trabalhadores, festas, folguedos. Retratos pictóricos ricos do nosso dia a dia, mostrados de forma simples. Anjos que tocam sanfona, vestidos de chitão, trabalhadores que festejam na roça, bailarinos que dançam nas festas juninas. Esta artista mais que uma simples “primitivista” travava em seus quadros um manifesto de nacionalismo.